Aneel vai reduzir burocracia para facilitar instalação de sistema solar em residência

Aneel vai reduzir burocracia para facilitar instalação de sistema solar em residência

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) vai definir ainda no primeiro semestre uma proposta para acelerar o acesso dos mini e microgeradores de energia à rede das distribuidores de energia. Hoje, a demora da ligação dos projetos à rede das distribuidoras é uma das reclamações de quem trabalha com energia solar.

Segundo empresas que instalam esses sistemas solares, o prazo para conclusão numa residência, por exemplo, é de menos de uma semana, mas algumas vezes a parte burocrática, que envolve autorização e vistoria das distribuidoras, atrasa o processo em meses.

O sistema de mini e microgeração distribuída permite que qualquer pessoa gere energia para seu consumo. O que exceder é jogado na rede da distribuidora que funciona nesse caso como uma bateria. A energia que entrar na rede da concessionária será descontada do consumo que for feito em momentos em que não é possível gerar energia, no caso da solar, durante a noite.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, afirmou em entrevista recente que o potencial de crescimento da microgeração distribuída é enorme e entre os grandes benefícios do sistema está a redução de perdas de energia na transmissão e redução da pressão sobre o sistema.


Como gerar energia solar?

Para quem se interessar em gerar a própria energia,o primeiro passo é contatar uma empresa para fazer um estudo sobre a viabilidade do sistema. A eficiência dos painéis solares depende de fatores como a região onde será instalada e a posição do telhado. Esses fatores interferem no tempo que o consumidor vai levar para “recuperar” o investimento. 

Em geral o tempo médio é de 8 a 10 anos, mas em regiões com maior incidência de energia solar e onde o custo da energia é mais caro esse tempo cai para 5 ou 6 anos. “Mas o equipamento tem vida útil de 25 anos, ou seja, depois de 10 anos você ainda vai gerar mais 15 anos de energia com ele sem custo”, afirmou o diretor-executivo da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Lopes Sauaia.

Para 2023 a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) estima que o consumo atendido com a autoprodução e a fotovoltaica, representará cerca de 12% do consumo de eletricidade. “Dentre as tecnologias de geração distribuída de pequeno porte destaca-se a baseada no aproveitamento solar fotovoltaico; essa tecnologia se apresenta com maior potencial de penetração no horizonte decenal”, afirma o Plano Decenal de Expansão de Energia elaborado pela EPE. 

Aquecimento e geração

A micro e minigeração de energia solar é quando o consumidor gera energia através dos painéis fotovoltaicos, que captam a luz do sol. A tecnologia é diferente da usada no aquecimento solar, quando não há geração de energia elétrica. No caso do aquecimento solar, há apenas uma redução do consumo por causa do uso de coletores e boiler.